A Aviação de Asas Rotativas da FAB

A FAB opera helicópteros em missões de apoio tático, SAR e transporte desde 1953. Naquele ano, entraram em serviço três H-13D (Bell 47D1) de emprego utilitário, sob os números de série de 8500 a 8502, os quais permaneceram em serviço até 1968.

Em 1957, quatro H-19D (Sikorski S-55) foram incorporados, para realizarem missões SAR. Registrados sob os números de série 8504 a 8507, foram utilizados até 1969.

Cinco helicópteros H-13J (Bell 47J) entraram em serviço em 1958, permanecendo em uso até 1974.

Os H-13J (números de série 8508 a 8512) foram empregados em missões de transporte e ligação; um exemplar encontra-se preservado no Museu Aeroespacial.

Em 1959 entrou em serviço o primeiro de de 48 Bell 47G2, doze dos quais utilizados para treinamento (H-13G) e 36 utilizados em missões de ligação e observação (OH-13H). Eles foram registrados sob os números de série 8514 a 8524 e 8600 a 8635, respectivamente.

H-13 8611 (via A. Camazano A.)

De 1961 a 1965 a FAB operou seis H-34 (Sikorski SH-34J) em missões de transporte, emprego geral e anti-submarino (números de série 8550 a 8555). Todos os H-34 foram transferidos para a Aviação Naval em 1965.

Quatorze helicópteros Bell 205D foram incorporados à FAB em 1967. Seis destes foram designados SH-1D (números de série 8530 a 8535), para missões SAR, e os restantes (números de série 8536 a 8543) utilizaram a designação UH-1D. Estes últimos foram utilizados em missões de transporte e apoio tático.

SH-1D em formação (via A. Camazano A.)

Em 1969 sete Bell 206 Jet Ranger entraram em serviço como VH-4 (8570 a 8572) e OH-4 (8580 a 8583), três dos quais permanecem sendo utilizados em missões de transporte VIP ou emprego geral.

No ano de 1972, os primeiros de trinta e quatro helicópteros UH-1H (Bell 205H) foram recebidos pela FAB, para emprego como utilitários ou em missões de apoio tático. Os UH-1H receberam os números de série 8650 a 8683 e foram usados por diversos esquadrões da FAB, até a sua desativação, em 2012.

CH-34 8733 (foto Rudnei Dias da Cunha).

Os helicópteros H-50 (Helibrás HB-350 Esquilo) e H-55 (Helibrás HB-355 Esquilo Bi), de produção nacional, são utilizados em missões de treinamento, ligação e SAR (H-50) e ligação e transporte utilitário e VIP (H-55). Os H-50 são utilizados pelos 2º/8º GAV e 1º/11º GAV; os H-55 são utilizados pelo 8º GAV e pelo Grupo de Transporte Especial.

Em 2007, a FAB recebeu os H-60L, os quais são empregados pelos 5º/8º GAV e 7º/8º GAV. Os H-60L da FAB têm sido desde então empregados em inúmeras missões de resgate em desastres naturais, tanto no Brasil, como na Bolívia e no Chile.

Em 2010, a FAB recebeu os helicópteros de ataque Mi-35M de fabricação russa. Denominados AH-2 Sabre na FAB, eles são empregados exclusivamente pelo 2º/8º GAV.

Ainda em 2010, a FAB recebeu o primeiro de 18 exemplares do H-36 Caracal, os quais são empregados pelo 1º/8º GAV, 3º/8º GAV e 2º/10º GAV. Além disso, uma versão configurada para transporte VIP, denominada VH-36, é empregada pelo Grupo de Transporte Especial.

A Aviação de Asas Rotativas comemora suas atividades no dia 3 de fevereiro

Bibliografia:

  1. J. Flores Jr., “Aeronaves Militares Brasileiras – 1916 – 2015”, Action Editora, Rio de Janeiro, 2015.
  2. F.C. Pereira Netto, “Aviação Militar Brasileira 1916-1984”, Editora Revista de Aeronáutica, Rio de Janeiro, 1984.
  3. Flap Internacional, Ano 33, Nº 287, Grupo Editorial Spagat Ltda., Julho 1996.

Créditos: https://historiadafab.rudnei.cunha.nom.br/2021/01/04/a-aviacao-de-asas-rotativas/

Créditos à Rudnei Cunha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanGreekHebrewItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish
Você não copiar o texto dessa página